Seguidores

quinta-feira, 23 de março de 2017

Felicidade...




A noite faz uma pausa
e a solidão é a luz acesa...

Não sabíamos que a felicidade doesse tanto.
Almas confusas, vozes perdidas...

(Adilson Shiva)

Felicidad…

La noche hace una pausa
y la soledad es la luz prendida…

No sabíamos que la felicidad doliera tanto.
Almas confusas, voces perdidas…

(Adilson Shiva)


sexta-feira, 3 de março de 2017

Não há tempo...



A vida é um sopro evanescente...
De nada valem as certezas
se tudo depende do momento do vento...

Hoje nos revela tudo e amanhã nos põe a olhar
as mãos vazias… o indizível da morte…
(Adilson Shiva)

No hay tempo...

La vida es un soplo evanescente…
De nada valen las certezas
si todo depende del momento del viento…

Hoy nos revela todo y mañana nos pone a mirar
las manos vacías…el indecible de la muerte…
(Adilson Shiva)

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Tempo...tempo...tempo...




A cama está mais fria, a noite é longa
e meus devaneios passeiam por cada estrofe
de um poema antigo...

Quem disse que o tempo verdadeiro
nos cura de uma paixão antiga ou nos previne
de aportar no país dos naufrágios?

Ainda sonho com teus olhos castanhos brotando
em cada pedra de tua habitação...

(Adilson Shiva)

Tiempo... tiempo… tiempo…

La cama está más fría, la noche es larga
y  mis devaneos pasean por cada estrofa
de un poema antiguo…

Quién ha dicho que el tiempo verdadero
nos cura de una pasión antigua o  nos previene
de aportar en el país de los naufragios?

Aun sueño con tus ojos castaños brotando
en cada piedra de tu habitación…

(Adilson Shiva)

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Partir...




Dormes...
E eu estou aqui
Sentinela... Do teu sono sereno.

Dormes...
Em vigília, velo;
Teu corpo miúdo,
Tua boca inocente, pequena,
Teu respirar suave, teu sono pleno...
Era assim o que em minha alma acontecia

Dormes...
Em teu sono não percebes
Minha presença astral
Meu olhar distante, quente;
Viajante do tempo, do espaço sideral...

Dormes...
Nas horas últimas de vigília,
O frio corta o meu passo de uma só palavra - adeus...
e a porta clava  o seu ruído nas minhas costas ...

(Adilson Shiva)

Partir...

Duermes...
Y yo estoy aquí.
Centinela... de tu sueño sereno.

Duermes…
En vigilia, velo;
Tu cuerpo menudo,
Tu boca inocente, pequeña,
Tu respirar suave, tu sueño pleno...
Era así lo que en mi alma acontecía.

Duermes…
En tu sueño no percibes
Mi presencia astral
Mi mirada distante, caliente;
Viajero del tiempo,
del espacio sideral…

Duermes…
En las horas últimas de la vigilia,
El frio  corta mi paso de una sola palabra – adiós…
y la puerta  clava su ruido en mi espalda…

(Adilson Shiva)

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Tu…


Há os que chegam,  os que se foram.
Há aqueles que  têm por cúmplice a vida...
E há esse frio que cabe somente
por trás de uma palavra – Tu ...

(Adilson Shiva)

Tú…

Hay los que llegan, los que se han ido.
Hay quienes tienen por cómplice la vida…
Y hay ese frío que cabe solamente
detrás de una palabra – Tú…

(Adilson Shiva)

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Solilóquio…


Para que serve o saber que tenho de teu corpo
se não soubemos dançar uma canção do futuro?

Penso nas folhas secas sobrevivendo
às horas que passaram nos sonhos que nos faltaram...

A lua apagou sua luz em nosso último beijo
e a morte veio, desordenando tudo...

(Adilson Shiva)

Soliloquio...

¿Para qué sirve el saber que tengo de tu cuerpo
si no supimos bailar una canción del futuro?

Pienso en las hojas secas sobreviviendo
a las horas que pasaron en los sueños que nos faltaron…

La luna apagó su luz en nuestro último beso
y la muerte vino, desordenando todo…

(Adilson Shiva)

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Para refletir - Sobre a greve da Policia Militar - ES

Para refletir
Sobre a greve da Policia Militar - ES

O gozo feminino não é mortífero se situado como suplementar ao gozo fálico.
Dessa forma é uma relação com o corpo que alivia a mulher, como possibilidade de gozar de uma ausência no encontro com um homem no amor. Além de entrar em relação com o gozo fálico e todas as vicissitudes da ordem fálica, encontra nesse lugar uma possibilidade de sair do semblante fálico, sair do lugar de sujeito e repousar, perder-se um pouco, não-todo, enlouquecer um pouco, mas não de tudo. O homem pode também experimentar essa loucura, entre aspas, feminina.
Quando uma mulher perde a referencia com a ordem fálica, esse gozo deixa de ser não todo, é um absoluto que devasta, é imprevisível, entra em relação com o vazio do feminino, apontando para um Outro sem barra, não há limites.
Essa é a vertente mortífera do gozo feminino, quando a relação com a ausência de um significante de uma mulher se torna absoluta. Houve um desenganche com a ordem fálica e isso leva ao pior.

(Adilson Shiva)


Para reflexionar
Sobre la huelga de la Policía Militar - ES

El goce femenino no es mortífero cuando situado como complementario al goce fálico.
Por lo tanto, es una relación con el cuerpo que alivia la mujer, como una posibilidad de disfrutar de una ausencia en el encuentro con un hombre en el amor. Además de entrar en una relación con el goce fálico y todas las vicisitudes del orden fálico, encuentra en ese lugar una posibilidad de salir del semblante fálico, del lugar de sujeto y reposar,, perdese un poco, no-todo, volverse loco , un poco, pero no todo. El hombre también puede experimentar esta locura, entre comillas, del femenino.
Cuando una mujer pierde la referencia del orden fálico, el goce deja de ser no todo, es un absoluto que devasta, es impredecible, entra en relación con el vacío del femenino, que apunta para un Otro NO TACHADO9, no hay límites.
Esta es la vertiente mortífera del goce femenino, cuando la relación con la ausencia de un significante de una mujer se convierte en absoluto. Hubo un desenganche con el orden fálico y esto conduce al peor.

(Adilson Shiva)