Seguidores

sábado, 2 de junho de 2012

A QUALQUER TEMPO

Minha linda Juventude
Flauta , noites e sons
Luas , orvalhos
E o campos cobertos
Por cristais de gelo...
As montanhas
e o infinito do tempo
a colorir o que era novo
Numa calça jeans desbotada
cabelos ao vento
e o som dos vales...
Admirando o Ipê que floria

Entao,
Fale-me do tempo
Da chuva e do frio...
A qualquer tempo.

(©by Adilson S. Silva)

Um comentário:

  1. A natureza, misturada à poesia, sempre inspirando belos poemas!

    ResponderExcluir